Barueri
Barueri
Santos
Guarulhos
Campinas
+55 (11) 2078-1270 Av. Piraíba, 352 - Tamboré | Barueri/SP
+55 (13) 3333-1050 Rua Augusto Severo 13 – Conj. 33 - Centro – Santos/SP
+55 (11) 2445-6756 Ed. de Apoio TECA 2º andar Sala 203 - Rod. Hélio Smidt - Aerop. de Guarulhos
+55 (11) 97247-7730 Rodovia Santos Dumont KM 66 s/nº Centro Empresarial Viracopos
Horário de Atendimento
Seg a Sex das 8h as 18h

Olá, pessoal. Hoje vamos falar um pouco mais sobre a importância do peso da carga no transporte. Chegamos a abordar rapidamente o assunto na matéria sobre o Transporte Rodoviário em Container. Quem não teve a oportunidade de ler, segue o link: Transporte Rodoviário de Container

Na matéria acima alertamos sobre o atendimento à legislação do CONTRAN quanto ao limite de peso para transporte. Este limite leva em consideração a largura, altura e comprimento do veículo, a distância entre eixos e o peso do veículo.

Dentro da linha de caminhões, podemos ter diversos tipos, em que cada qual tem a sua capacidade de carga. Sugiro que você siga as instruções do fabricante que define exatamente o peso do veículo e do equipamento, pois desta forma você terá o limite permitido de carga a ser transportado.

Além dos limites que comentei, é importante salientar sobre a correta distribuição da carga no veículo. Um dos motivos de acidentes nas rodovias é a má distribuição das cargas na carreta, no baú ou no container.

Capa blog A importância do peso da carga no transporte

Quando iniciei na área, lembro de uma dica que um coordenador de transporte me deu. “Marcia, nunca ultrapasse um caminhão em uma curva, pelo lado de fora da curva. Você nunca sabe se o caminhão está ou não carregado e se as cargas estão acondicionadas corretamente.”

Em alguns casos, as cargas podem estar bem acondicionadas, mas pode acontecer de não terem sido amarradas corretamente, por exemplo.

E quando falamos de acondicionamento, devemos considerar não apenas as dimensões dos volumes, mas também o peso de cada volume e precisamos conhecer também, as regras de manuseio da carga, por exemplo:

  • Empilhamento: Algumas cargas não podem ser empilhadas e outras podem ter um limite máximo de empilhamento.
  • Embalagem: A embalagem dos produtos, além de ter que garantir a segurança do produto, deve também estar adequada ao tipo de modal escolhido e considerar todos os manuseios pelos quais ela vai passar desde a origem até o destino.

Quando temos volumes muito pesados por exemplo, é possível que você não consiga ocupar a capacidade total do veículo em volume, mas já tenha atingida a capacidade total de peso definida pela legislação. Portanto fiquem atentos.

Obviamente, muitos de nossos leitores não estão no segmento de transportes. Sendo assim, podem não ter conhecimento de tais regras. Por isso o alerta vai para escolha da empresa que vai cuidar do transporte da sua carga. Sugiro que você opte por empresas devidamente registradas na ANTT com motoristas habilitados ao manuseio das cargas e com o correto treinamento quando ao acondicionamento das cargas nos veículos.

Normalmente as empresas de transporte fornecem cursos periódicos para as suas equipes, motoristas e ajudantes. Estes cursos ensinam o correto manuseio das cargas, tipos de cargas, tipos de mercadorias e seus respectivos cuidados com o manuseio e acondicionamento, além, é claro, de abordarem outros assuntos como direção defensiva, acidentes e áreas de tráfego.

Você sabia disto? Pois é, sempre é bom saber que sua carga está sendo bem cuidada, não é mesmo?
Agora vamos falar um pouco sobre o peso dos containers nos embarques marítimos. Quem trabalha com este modal, já está acostumado com a cobrança da taxa VGM, mas você sabe o que significa e porque ela foi criada?

Vamos lá. VGM (Verified Gross Mass / Verificação do Peso Bruto) foi uma exigência da IMO (Organização Marítima Internacional) definida pelo comitê SOLAS (Salvaguarda da Vida Humana no Mar), que obriga os armadores a solicitarem aos seus embarcadores o peso bruto de cada container embarcado (VGM). Esta regra entrou em vigência em 01 de julho de 2016.

Por ser uma exigência da IMO, ela teve reflexo em todos os seus associados, que atualmente estão em um número de 174 países no mundo todo. A regra define também que, sem a devida declaração do embarcador atestando o peso de cada um dos containers entregues para embarque, eles não devem ser embarcados.

Com base nesta declaração, o armador fará a distribuição dos containers pelo navio, assegurando a estabilidade da embarcação. Erros nesta distribuição podem causar desastres incalculáveis para a carga, para a embarcação e obviamente para a tripulação.

Temos visto no segmento marítimo que as embarcações estão aumento sua capacidade de carga por navio. E aumentando a capacidade, consequentemente aumentam os riscos de acidentes; mas a adoção da exigência da IMO em relação à verificação do peso bruto deve melhorar o planejamento da alocação dos containers na embarcação.

Para a apuração do peso, de acordo com as regras da IMO, podem ser utilizados 2 métodos de apuração:

  • Método 1: Pesagem do container carregado, incluindo o seu conteúdo e o peso do próprio container.
  • Método 2: Pesar os produtos e suas embalagens, incluindo pallets, caixas e outros materiais utilizados para acondicionamento das mercadorias no container e ainda somar o peso do próprio container, que inclusive vem descrito na porta do container com a denominação de “Tara”.

Estes dois métodos foram definidos dessa forma pois muitos embarcadores não possuem estrutura para a pesagem do container carregado. Sendo assim, o método 2 poderia ser aplicado para aferir o VGM, mas não se esqueça, é importante certificar que a balança utilizada esteja calibrada corretamente. No Brasil, o INMETRO é o órgão responsável pela definição desta calibragem.

Ah, é claro, não podemos esquecer que toda nova regra gera uma nova taxa a ser cobrada do cliente. Neste caso, estamos falando da taxa VGM, que alguns agentes cobram por container. No caso de embarque em lotes menores, eles rateiam esta taxa de acordo com os lotes que pertencem àquela consolidada.

Então esta é a origem do VGM. Se gostou do conteúdo, compartilhe com seus amigos no link abaixo.

Sobre o autor

Marcia Hashimoto

Por: Sócia proprietária da INFOLABOR Consultoria e especialista em Comércio Exterior, auxilia empresa e empresários nos seus projetos de importação e exportação, possui MBA em Projetos pela FIA, ministra cursos e palestras na área de Comércio Exterior