Barueri
Barueri
Santos
Guarulhos
Campinas
+55 (11) 2078-1270 Av. Piraíba, 352 - Tamboré | Barueri/SP
+55 (13) 3333-1050 Rua Augusto Severo 13 – Conj. 33 - Centro – Santos/SP
+55 (11) 2445-6756 Ed. de Apoio TECA 2º andar Sala 203 - Rod. Hélio Smidt - Aerop. de Guarulhos
+55 (11) 97247-7730 Rodovia Santos Dumont KM 66 s/nº Centro Empresarial Viracopos
Horário de Atendimento
Seg a Sex das 8h as 18h

A Logística está mais presente na sua vida do que você pode imaginar. Ao entrar no supermercado, os alimentos, as roupas, os calçados, os eletroeletrônicos e os eletrodomésticos que você vê, passaram por várias etapas de uma complexa cadeia logística até chegarem às gôndolas para o consumo.

Com a transformação digital, ao realizar compras via internet ou pelos aplicativos, você irá se deparar com mais etapas deste processo: ao escolher a cor, o tamanho, a quantidade, existem sistemas integrados que consultam o estoque em tempo real, e devolvem as opções para você.

Ao finalizar a compra, ferramentas como o rastreamento do seu pedido, se utiliza de outros mecanismos de tecnologia, para garantir que o produto certo saia de sua origem e chegue até o seu destino, no prazo contratado.

Falando de Conceitos

Tudo isto requer, nos bastidores, uma grande integração entre sistemas de informação, plataformas, fluxos, processos e pessoas, que estão em diferentes partes da cadeia produtiva.

O que funciona de forma automatizada, está fundamentado nos princípios da Logística Empresarial. Segundo Ronald H. Ballou, teórico norte-americano e uma das maiores autoridades no assunto, ela tem como missão “colocar os produtos ou serviços certos no lugar certo, no momento certo, e nas condições desejadas, dando ao mesmo tempo a melhor contribuição possível para a empresa”.

E para que isto aconteça, existem atividades como o transporte, a movimentação e armazenagem, que precisam estar dentro de níveis de serviço que sejam bons para os clientes, ao melhor custo possível.

Isto quer dizer que a experiência de compra passa não apenas pelo crivo do preço mais vantajoso: a percepção também se dá pela qualidade do serviço, pela pontualidade, pela transparência na comunicação, e na disponibilidade das informações. Na logística, a tecnologia é uma aliada fundamental para que todos estes elos possam ser monitorados.

Um pouco de história

Para que se chegasse no modelo atual, houve um aprimoramento e uma evolução da própria indústria, como podemos ver abaixo:

  • Primeira Revolução (1780): surge a energia mecânica e as máquinas movidas à vapor. A indústria que se destaca é a têxtil, e as ferrovias passam a integrar os meios de transporte da época.
  • Segunda Revolução (1870): a energia elétrica passa a integrar o dia a dia das fábricas, criando novas possibilidades para o mercado. Em 1895 o alemão Karl Benz projetou e construiu o primeiro caminhão da história, que usava um motor de combustão interna. Esta é a era da produção em massa, a partir da de linha de montagem criada por Henry Ford em 1913, e da expansão da malha rodoviária. Na década de 50, foi criado o container para transporte de cargas marítimas.
  • Terceira Revolução (1970): início da era da tecnologia da informação, com o surgimento dos primeiros computadores e da internet, que irão transformar tarefas manuais, mecânicas e repetitivas, em sistemas de automação. Destacamos importantes práticas modernas, como o conceito de produção Toyota – melhor qualidade, menor custo, no menor tempo possível, a gestão da cadeia de suprimentos, e o surgimento no Brasil dos primeiros operadores logísticos, com soluções integradas.

Como a Logística chega ao Século 21

O marco zero se dá com chegada da Quarta Revolução Industrial na Alemanha, em 2011, durante uma feira em Hannover. Surge o termo Indústria 4.0 para propor um processo de fabricação, no qual todas as máquinas e todos os produtos estão interconectados digitalmente entre si.

Recursos como a IoT (internet das coisas), a Robótica, o Big Data, Banco de Dados em Nuvem, Sistemas de Gestão, Analytics e BI (Business Inteligence) estão à serviço do aumento da produtividade, da redução dos custos operacionais, da customização da produção, do fluxo da informação, tornando as empresas mais competitivas no mercado.

Para atender este conceito, a Logística incorpora cada vez mais as inovações, promovendo a conexão entre todo o ecossistema, que pede respostas em tempo real e online. A informação precisa estar disponível entre todos os players da cadeia: embarcadores, portos e aeroportos, despachantes aduaneiros, transportadores, armazéns logísticos, para que o cliente tenha visibilidade e tome as ações no tempo correto.

Neste universo, grandes volumes de dados são coletados e armazenados em tempo real, possibilitando construção de modelos de gestão baseados em dados, com análises mais assertivas para tomada de decisão dos gestores. As informações podem ser utilizadas para compreender padrões e, com isso, possibilitar gestão eficiente da cadeia de suprimentos e previsão de demanda, um dos aspectos mais importantes para o segmento.

Do ponto de vista do operador logístico, se eu posso prever minha demanda a partir deste histórico de dados em tempo real, posso organizá-los e construir modelos analíticos, com indicadores de performance e monitorar desempenho de forma inteligente.

No transporte, é possível identificar as melhores rotas, as mais eficientes para atender os SLAs contratados, e que trarão economia de combustível ou menor custo com pedágios. Existem softwares que fazem rastreamento em tempo real dos veículos e possibilitam planejamento de rotas, paradas e abastecimentos.

Ainda sobre previsão de demanda, nos Centros de Distribuição existem sistemas de gestão inteligente dos estoques, que é valioso do ponto de vista financeiro para que os clientes consigam realizar planejamento das próximas compras, e mediar as ações comerciais.

Gigantes do mercado, como a Amazon, estão ditando tendências em robótica e inteligência artificial nos seus imensos CDs nos Estados Unidos. O Brasil está dando os primeiros passos nesta nova realidade, com as empresas realizando grandes investimentos, e buscando profissionais qualificados e preparados para atuar neste cenário.

Fatores como processos manuais, obsoletos, ou mesmo um time despreparado, que não compreenda o valor da cultura da inovação, não permitirão que as empresas acompanhem a velocidade das mudanças.

As organizações precisam ter pessoas e processos capazes de absorver tudo isso, para que sejam conectados e potencializados pela Alta Tecnologia. Desta forma será possível levar a melhor experiência aos clientes, gerar o melhor resultado para as empresas sem perder de vista a missão de colocar os produtos certos no lugar certo, no momento certo.

Citação para as Fotos
Fonte 1: Foto de Ricardo Espejo Catalán em Unsplash

Fonte 2: (containers 2) Foto de chuttersnap em Unsplash

Sobre o autor

Terra Nova Logística